CC Radio Portugal

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Não te esqueças de me amar nos dias dificeis!


Há dias que o amor é lindo, colorido, leve. Sentimos o calor um do outro e ao mesmo tempo um friozinho na barriga. Mas o frio na barriga passa, a rotina chega. Com a rotina chegam os dias preto e branco, nublados, às vezes até pesados. Chega o cansaço do trabalho, da vida, um do outro. Nesses dias, eu não espero flores, nem que tu concordes com tudo o que eu digo, ou que te submetas ao meu mau humor. Eu tenho só um pedido a fazer: não te esqueças de me amar.

Não te esqueças de me amar nas diferenças, na minha ausência, quando eu estiver sem tempo para nós dois. Eu sei, eu consigo ser teimosa, intolerante, “pavio curto”. Eu visto uma armadura de auto-suficiência e digo que fico bem se tu fores embora, mas não é verdade. Aliás, não te esqueças de me amar quando eu disser que quero ficar sozinha – este é o momento que eu mais preciso do teu amor e de ti por perto. 
Não deve ser fácil amares-me nos dias que eu insisto em não ser amada… mas engana-se quem pensa que o amor só tem “porquês”, ele é cheio de “apesar de”. Só quem ama sabe a dor e a delícia que é fazer um relacionamento dar certo. Por isso fica a saber que nos dias mais difíceis, quando o apesar se sobressai, eu não me esqueço de te amar também.

Lembra-te de me amares quando o meu cabelo estiver despenteado e as minhas unhas não estiverem feitas. Quando tu perceberes que eu tenho celulite e que sem maquilhagem as minhas olheiras aparecem. Eu sou perfeccionista, mas nem de longe sou perfeita. E por mais que eu queira conquistar aquele corpo tonificado, algumas vezes eu vou trocar o ginásio por um pote de Nutella, e provavelmente a seguir ainda irei ficar irritada com a balança, a sentir-me injustiçada! Pode parecer incoerente, tu não precisas dizer que entendes, apenas dizer que me amas como eu sou, agora que conheces todos os meus defeitos.

Sim, eu sei, tu apaixonaste-te por uma menina doce, ninguém te contou que as palavras que saem da boca dela também podiam ser duras. Tu apaixonaste-te por uma mulher tranquila e equilibrada, provavelmente tu não sabias que esta mesma mulher também discute, grita, perde o controlo e bate a porta. Mas eu estou aqui para te contar que do outro lado da porta batida, existe um coração partido. E por trás da máscara de mulher independente, ainda existe a menina, e entre tantos desacertos, ela só quer acertar contigo.

Eu que não sou de pedir nada, quero fazer-te um pedido: quando pensares em me esquecer, não te esqueças de me amar.

Texto de Milene da Mata

Sem comentários:

Publicar um comentário

Comente!,